Guia ajudará pesquisadores de acervo sobre a memória de Brasília


Para comemorar 31 anos, o Arquivo Público do Distrito Federal lança, na segunda-feira (14), um guia que facilitará o acesso de pesquisadores ao acervo do órgão. Destinado a quem tem interesse em conhecer e estudar a memória de Brasília, o material produzido em 2015 e finalizado em 2016 é uma reedição do original, criado em 1990. A nova versão traz informações para consulta de itens como mapas, documentos históricos e imagens.

A publicação dará ao público especializado acesso a informações atualizadas e detalhadas sobre nove fundos públicos, documentação oriunda da administração pública, e oito fundos privados, que apresentam o acervo particular de ícones da construção da cidade. “O guia permite que o pesquisador ou o usuário saibam exatamente onde procurar aquilo de que precisam”, afirma a superintendente do Arquivo Público, Marta Célia Bezerra Vale. Os acervos são separados e destrinchados de acordo com a natureza jurídica (público e privado) e há dados como: onde foi recolhido, datas da documentação existente e quantidade de fotos e de metros lineares de documentação.

Com tiragem de mil exemplares a serem distribuídos para pesquisadores, o livreto também explica, no caso de cada acervo, quais são os procedimentos para retirada, cópia ou consulta aos documentos listados. “Há informações sobre prazos de entrega, como chegar ao Arquivo Público, horário de funcionamento e tudo o que envolve o processo”, reforça Marta Célia. Pela primeira vez, a publicação segue a Norma Brasileira de Descrição Arquivística, o que confirma a importância do material, de acordo com a superintendente.

Para elaborar a edição, participaram servidores da equipe de Coordenação de Arquivo Permanente do Arquivo Público do DF. O projeto gráfico e a diagramação ficaram a cargo da Comunicação Institucional e Interação Social da Governadoria.

Evento
O aniversário do Arquivo Público terá outras atividades. Após o lançamento do guia, na sede (Setor de Garagens Oficiais Norte), às 17 horas, haverá a abertura da mostra itinerante Brasília, A Cidade que Inventei, sobre o trabalho de Lucio Costa. A exposição é formada por cinco painéis que trazem esboços e frases do arquiteto e urbanista e fotos do projeto em andamento na construção de Brasília nos anos 1950. As imagens ficam no órgão até 14 de abril, das 8 às 18 horas, e depois seguem para outros pontos da cidade.

Encerrando o evento, às 19 horas, será exibido o longa-metragem Amor e Desamor (1966), de Gerson Tavares. Realizado com o apoio da extinta Fundação Cultural de Brasília, o filme foi um dos primeiros trabalhos cinematográficos rodados totalmente na cidade.

Rádio
Outra novidade preparada para celebrar os 31 anos é a retomada do programa Minuto da Memória Candanga, criado em 1995 e encerrado em 1998. A partir de segunda-feira (14), os ouvintes da Rádio Cultura FM 100,9 conhecerão a história da cidade com base na trajetória de pioneiros ilustres. O programa de 60 segundos vai ao ar toda segunda-feira, ao meio-dia e às 20 horas.

Aniversário de 31 anos do Arquivo Público do DF
14 de março (segunda-feira)
A partir das 17 horas
No Setor de Garagens Oficiais Norte, Quadra 5, Lote 23, Bloco B

Programa Minuto da Memória Candanga
Todas as segundas-feiras, ao meio-dia e às 20 horas
Rádio Cultura FM 100,9

Exposição Brasília, A Cidade que Inventei
De 14 de março a 14 de abril
De segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas
No Setor de Garagens Oficiais Norte, Quadra 5, Lote 23, Bloco B

Anterior Brasília celebra Mês da Água com atividades educacionais e esportivas
Próxima Morro da Capelinha terá reforço de serviços públicos para a via-sacra

Não há comentários ainda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *